ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Ambientalistas e parlamentares defendem protagonismo do Brasil na COP 21

25 de agosto de 2015

A Assembleia Legislativa de São Paulo recebeu nesta segunda-feira (24) lideranças políticas e organizações ambientalistas para um encontro preparatório que discutiu contribuições para a participação do Brasil na 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas – COP 21, que ocorrerá em dezembro, na França. O evento “Florestas e Clima: rumo à COP 21 em Paris” foi uma parceria da Fundação SOS Mata Atlântica com a Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional e a Frente Parlamentar Ambientalista e pelo Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de São Paulo, além das comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) e de Legislação Participativa (CLP) da Câmara dos Deputados.

No encontro, os participantes apontaram a necessidade de que o governo brasileiro assuma um papel de protagonismo na conferência global. “Este será um dos eventos mais importantes da história, não vão ser debatidos apenas temas relativos ao meio ambiente, mas à economia e às mudanças trazidas pelas alterações climáticas”, explicou o deputado Sarney Filho, coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional.

A primeira parte teve a presença de representantes de diferentes biomas brasileiros, que apresentaram uma perspectiva preocupante do impacto das mudanças climáticas sobre ecossistemas já ameaçados.  “A pergunta que faço é: seremos capazes de ser uma sociedade que no futuro poderá dizer que conseguiu proteger nossos recursos naturais e consequentemente o futuro das novas gerações?”, afirmou Marcia Hirota, diretora executiva da Fundação SOS Mata Atlântica.

Na segunda parte da discussão, com a participação de especialistas e representantes da sociedade civil, o foco foi o papel do Brasil na busca pela redução de emissões de gases poluentes e o cenário global. “A discussão em Paris é definir como poderemos atingir o mínimo aceitável de emissões nas próximas décadas”, disse Tasso Azevedo, do Observatório do Clima. “O Brasil conseguiu estabilizar suas emissões nos últimos anos, mas é preciso encontrar um caminho para que possamos de fato contribuir com a redução de emissores globais.”

O diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, afirma que nas próximas semanas será importante mobilizar a sociedade brasileira para a conferência global, ressaltando que os temas em discussão impactam de forma direta a vida de todos. “Esse debate contribui para formar opinião entre o governo e a sociedade, discutindo os principais aspectos das questões ambientais, econômicas e sociais mostrando que os biomas influenciam diretamente no clima e,  com isso, vamos ter uma ferramenta para pressionar o governo e traduzir essas informações para apresentar nas Assembleias Estaduais para mobilização até a data da COP 21.”

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS