ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Campanhas pedem proteção de dois tesouros marinhos brasileiros

6 de outubro de 2015

Durante a 8ª edição do Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), realizada em Curitiba em setembro, foram lançadas campanhas pela proteção de duas regiões de extrema relevância para a preservação do patrimônio marinho e costeiro do Brasil. Uma delas diz respeito à criação do Parque Nacional de Albardão, em Santa Vitória do Palmar, no Rio Grande do Sul. A unidade é consenso entre os ambientalistas e interessa à prefeitura local, que pretende promover o ecoturismo na região, mas o processo está desde 2008 parado no Instituto Chico Mendes (ICMBio), sem ter recebido até agora sequer um parecer.

A área inclui o mais relevante sítio paleontológico da costa brasileira, onde são encontrados fósseis de mamíferos do período Pleistoceno e conta com uma rica biodiversidade – com presença regular de aves migratórias costeiras que ali encontram um oásis pra repousar e se alimentar, espécies endêmicas de fauna das dunas, e uma concentração importante de espécies ameaçadas e criticamente ameaçadas como a Toninha (Pontoporia blainvillei), Cações-anjo (Squatina spp.), raia-viola (Rhinobatos horkelii), tubarões-martelo (Sphyrna spp.) e o cação de bico-doce (Galeorhinus galeus), além de diversas espécies de peixes, tartarugas-marinhas e crustáceos. A beleza cênica é um grande atrativo para o ecoturismo, que já ocorre, porém sem ordenamento algum.

“É uma região com enorme potencial para o ecoturismo e para o turismo de aventura. Tem uma beleza cênica daquela paisagem desértica fantástica. Então, está na hora de conseguirmos esse parque nacional; tirar esse processo das gavetas para que se possa não só proteger essas espécies ameaçadas, mas também gerar emprego e renda”, afirma o ambientalista José Truda Palazzo Jr.

Como apoiar

Para saber mais e apoiar a proteção desta importante área, acesse http://www.redeprouc.org.br/pela-criacao-do-parque-nacional-do-albardao/. Lá, interessados podem obter mais informações sobre a área e enviar emails para Ministra, Secretária de Biodiversidade e Presidente do ICMBio.

Ao enviar o email, o apoiador recebe uma carta de agradecimento com links para um vídeo da região e para download gratuito de um guia de flora e fauna do Albardão.

Participe! A campanha foi lançada pela Divers for Sharks, o Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (NEMA), o Instituto Augusto Carneiro, em parceria com a Rede Pró Unidades de Conservação.

Fernando de Noronha como Santuário de Tubarões e Raias

Fernando de Noronha - Eduardo Murici - CC BY-SA 3

Também foi lançada durante o CBUC outra iniciativa que está pedindo mais proteção para tubarões e raias de Fernando de Noronha (PE), uma região bastante famosa por sua beleza inigualável e riquezas naturais. Com o apoio de ambientalistas e organizações de mergulho, a Divers for Sharks encaminhou ao Secretário Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sergio Xavier, um ofício solicitando providências em colaboração com a Administração do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, junto ao Governador do Estado de Pernambuco, para a decretação de Fernando de Noronha como Santuário de Tubarões e Raias.

Fernando de Noronha é o último lugar no Brasil onde se pode mergulhar regularmente com tubarões e raias, dado o desaparecimento acelerado das espécies desses animais em nossas águas em função da pesca predatória. Por isso, é uma região estratégica para proteção destes animais e para o mergulho de ecoturismo. A decretação do Santuário beneficiaria a população local, que segundo pesquisa de opinião pública concorda com a proteção dos animais, além de promover a região nacional e internacionalmente.

Como apoiar

Qualquer cidadão pode manifestar o seu apoio à transformação de Fernando de Noronha em um Santuário de Tubarões e Raias. Uma das formas para isso é enviar email à Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco,  no semaspernambuco@semas.pe.gov.br.

Para saber mais sobre a questão, entre em contato com o Divers for Sharks: www.diversforsharks.com.br | www.facebook.com/diversforsharksinfo@diversforsharks.com.br.

 

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS