Notícias
Se mantenha informado sobre nossas ações
marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Conexão Mata Atlântica vai incentivar mais 137 produtores rurais prestadores de serviços ambientais

Resultado de segundo edital de PSA no estado do Rio de Janeiro seleciona novas áreas com ações ambientais: mais 788 hectares serão revitalizados ou restaurados

26 de agosto de 2020

O projeto Conexão Mata Atlântica irá contratar mais 137 novos produtores rurais do estado do Rio de Janeiro em seu segundo edital de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA), mecanismo que reconhece e recompensa ações ambientais nas propriedades. Conduzido pela Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (SEAS), por meio do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), e pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA), por meio da Emater-Rio, a iniciativa selecionou novas áreas – 788 hectares – a serem recuperadas em ações de restauração florestal (118 ha) e conversão produtiva de áreas de baixa produtividade (669 ha). 

A seleção pública (Edital 06/2019), que teve seu resultado divulgado no último dia 11, trouxe como grande diferencial o PSA na forma de apoio financeiro para custeio, total ou parcial, da implantação de práticas de conversão produtiva. Somente nesta categoria, está prevista a implantação de quase 669 ha em sistemas agroflorestais e silvipastoris, práticas agropecuárias que integram espécies arbóreas nativas a áreas produtivas, com investimentos  de aproximadamente R$ 4,3 milhões. O edital prevê o investimento total de mais de R$ 5,7 milhões.

Somados ao primeiro edital, de 2018, o projeto totalizará 286 contratos em andamento e 2.807 ha manejados, superando a meta da iniciativa no estado do Rio, que era de 2.500 ha. Desde 2018, o Conexão Mata Atlântica já concluiu o pagamento de aproximadamente R$2 milhões em PSA. Até a conclusão do projeto, prevista para 2023, espera-se que sejam destinados um total de R$ 9,5 milhões (distribuídos em parcelas anuais), em reconhecimento a ações conservacionistas que geram benefícios ambientais para toda a sociedade, alinhadas ao desenvolvimento rural sustentável.

Entre as propriedades apoiadas pelo projeto, algumas possuem Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), um tipo de Unidade de Conservação (UC) dentro de propriedades particulares. Elas são criadas a partir do interesse voluntário do proprietário em garantir a conservação de parte de sua área, além do exigido em lei. Somente no segundo edital, seis propriedades possuem RPPNs. Entre as áreas beneficiadas pelo projeto no primeiro edital, algumas RPPNs já haviam sido apoiadas pela Fundação SOS Mata Atlântica.

No estado do Rio, o projeto abrange seis microbacias localizadas nos municípios de Italva, Cambuci, Varre-Sai e Porciúncula (os três na Região Noroeste) e Valença e Barra do Piraí (ambas no Médio Paraíba), áreas estratégicas para a manutenção dos fragmentos florestais de Mata Atlântica conservação da biodiversidade e dos recursos hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul. As ações contribuem, ainda, para a mitigação das mudanças climáticas por meio do aumento dos estoques de carbono.

Crédito: Com informações do projeto Conexão Mata Atlântica

COMPARTILHE