Notícias
Se mantenha informado sobre nossas ações
marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Floresta Mercedes-Benz reforça o compromisso da marca com um mundo mais sustentável

Mais de 13 mil árvores nativas serão plantadas em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, primeiras mudas foram plantadas no Centro de Experimentos Florestais da ONG, em Itu

3 de novembro de 2020

O munícipio de São Sebastião da Grama, localizado a 255 km da capital do estado de São Paulo, foi escolhido como local para receber a Floresta Mercedes-Benz. A iniciativa é o compromisso e a preocupação da marca com sustentabilidade e meio ambiente. A expectativa é que o plantio aconteça ainda em 2020, dependendo apenas da temporada de chuvas na região escolhida.

A parceria com a SOS Mata Atlântica foi apresentada durante o evento Mercedes-Benz EQ Electric Intelligence, em fevereiro deste ano, junto com o automóvel elétrico da marca, o Mercedes-Benz EQC 400 4MATIC, que representa o futuro para a mobilidade urbana.

No total, serão mais de 13 mil árvores nativas da Mata Atlântica plantadas visando recuperar a paisagem da região da bacia do Rio Pardo. Essa ação vai compensar a emissão de mais de 2 mil toneladas de CO2 por ano. A iniciativa vai ajudar na criação de corredores ecológicos para unir os fragmentos e recuperar a mata na margem de rios e nascentes.

“A Floresta Mercedes-Benz ressalta o compromisso da nossa marca com as futuras gerações e está alinhada com a

nossa estratégia global de sustentabilidade Ambition 2039, em que um dos nossos principais objetivos é ter uma “frota limpa” neutra em CO2 de automóveis novos em menos de 20 anos. ”, afirma Holger Marquardt, CEO da Mercedes-Benz Cars & Vans Brasil e MBC América Latina & Caribe.

O plantio das primeiras mudas da Floresta Mercedes-Benz foi realizado no dia 22 de outubro pelo CEO Holger Marquardt e pelos executivos Dirlei Dias, Head of Sales and Marketing, e Roberto Gasparetti, Head of Dealer Network Development & Training, no Centro de Experimentos Florestais da ONG, localizado em Itu.

Crédito: Fundação SOS Mata Atlântica

COMPARTILHE