Notícias
Se mantenha informado sobre nossas ações
marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Fundação faz um balanço de avanços e retrocessos do Projeto Tietê

24 de setembro de 2015

Na tarde desta quarta-feira (23), a Fundação SOS Mata Atlântica realizou uma mesa-redonda na Livraria Cultura do Conjunto Nacional com o tema “Rio Tietê: Desafios para a gestão da água em São Paulo”, em que foram apresentados resultados atualizados sobre os níveis de poluição do rio Tietê. O trabalho de monitoramento, que é realizado mensalmente por voluntários da ONG, mostrou que a mancha de poluição do Rio Tietê subiu 117,8% referente ao ano passado. Hoje, são 154,7 quilômetros de trecho de rio “morto”, contra 71 quilômetros do ano anterior.

  • (Fotos: Zeh Campos / SOS Mata Atlântica)

A mesa-redonda teve mediação de Alberto Gaspar, repórter da TV Globo, e participação dos seguintes especialistas: Andréa Ferreira, gerente de planejamento e controle da Sabesp; Domenico Tremaroli, gerente da Agência Ambiental de Jundiaí; Pedro Roberto Jacobi, professor do programa de pós-graduação em Ciência Ambiental (PROCAM/USP); e Luiz de Campo Jr., co-criador da iniciativa Rios e Ruas.

244A9538

A discussão começou com a questão do retrocesso na despoluição do rio observada pelo levantamento da ONG, com ênfase na falta de governança e transparência dos governos em questões hídricas, cujas discussões raramente envolvem a população como um todo. “A sociedade, em geral, não sabe a importância do saneamento básico e o poder público só alertou a população no auge da crise hídrica”, disse Pedro Roberto Jacobi. Para Luiz de Campos Jr, a população da cidade de São Paulo não quer conviver com o Tietê poluído, mas muitas vezes faltam informações. “A população quer um rio limpo. O problema é entender o porquê ele está desse jeito. A sociedade precisa ter um relacionamento diferente com o Tietê, aprender a preservá-lo”.

Além da escassez hídrica, de acordo Andréa Ferreira, um dos fatores que contribuíram para a piora na qualidade das águas do Tietê é a falta de licitações para início de novas obras de despoluição. Segundo ela houve um “refreamento” do trabalho, porém nenhuma obra foi paralisada em 2014.

244A9513
Malu Ribeiro, coordenadora da Rede das Águas da Fundação

Apesar de admitir o atraso, ela não respondeu sobre o novo prazo para a universalização do saneamento. A universalização havia sido prevista para 2018 e depois a data foi postergada para 2020.

Para Malu Ribeiro, coordenadora do Projeto Observando o Tietê da Fundação SOS Mata Atlântica, a negligência em relação ao saneamento básico ainda é um dos principais desafios para se obter avanços. “Em Guarulhos, por exemplo, cerca de 20% do esgoto no máximo é tratado. Para uma cidade de mais de um milhão de habitantes isso é muito pouco, não há vazão de rio que chegue para diluir este volume”, afirmou Malu, responsável pelo levantamento mais recente sobre a situação atual do rio. O município de Guarulhos, assim como outras cidades vizinhas a São Paulo, têm serviços autônomos de água e esgoto.

Segundo Domenico Tremaroli, enquanto não houver atos de grande porte do governo, não serão vistos avanços visíveis em relação à despoluição de rios.

Outro assunto tratado na mesa-redonda foi com relação a acabar com enquadramento de classe 4 para os rios, que só servem para a diluição de esgotos e que cuja as aguas não podem ser utilizadas para nenhum uso. O rio Tietê é enquadrado na classe 4 do município de Guarulhos a Pirapora do Bom Jesus. A partir daí o rio é classe 2, porém não atinge esse padrão de enquadramento devido à poluição que recebe na região metropolitana de São Paulo.
A Sabesp informou que está avaliando a questão do enquadramento dos rios e a proposta de extinção da classe 4.

Malu Ribeiro garantiu que a SOS Mata Atlântica continuará perseguindo o ideal de eliminar os rios de classe 4 no Estado de São Paulo. Para isso, firmou o compromisso da Fundação levar ao governador do Estado, Geraldo Alckmin, esse pedido e de repactuar uma forte ação para despoluir o Tietê.

O governo do Paraná já instruiu seus comitês de bacia a extinguirem a classe 4.

Apoie esta iniciativa e outros projetos da Fundação
Os projetos da SOS Mata Atlântica contam com o apoio de empresas e pessoas espalhadas por todo o país para serem realizados. Você também pode ajudar. Faça uma doação ou seja um filiado!

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS