ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Parceria entre Scania e Fundação SOS Mata Atlântica restaura área no Vale do Paraíba

“Floresta Scania” está localizada em Aparecida (SP), em frente ao Santuário, e plantará 75 mil mudas nativas de Mata Atlântica

20 de julho de 2020

Iniciada em 2018, a parceria da Scania com a Fundação SOS Mata Atlântica possibilitará o plantio de mais de 75 mil árvores nativas da Mata Atlântica. O que vai gerar uma compensação de 12,3 mil toneladas de CO2. O local escolhido recebeu o nome de “Floresta Scania”, e está localizado em frente ao Santuário Nacional de Aparecida, onde é realizada uma parceria entre a Fundação e o Santuário. A iniciativa consiste na restauração florestal de mais de 248 hectares em quatro propriedades localizadas nos municípios de Aparecida e Taubaté. No escopo do projeto – que também conta com outros patrocinadores –, serão 621 mil mudas de árvores nativas de Mata Atlântica plantadas até 2021. Até agora, praticamente metade do projeto já foi concluído, com o plantio de aproximadamente 359 mil mudas em 143 hectares.

As áreas escolhidas para a restauração fazem parte de importantes regiões de Mata Atlântica, mas que infelizmente possuem poucos remanescentes florestais – são apenas 4% em Aparecida e 6% em Taubaté. As propriedades também estão localizadas em mananciais de abastecimento do Santuário, por onde passam anualmente 13 milhões de pessoas por ano, e têm alta vulnerabilidade de aquíferos. Até 2021, R$ 10 milhões serão investidos no projeto.

O acordo entre Scania e Fundação SOS Mata Atlântica consiste no plantio de mudas de árvores nativas da Mata Atlântica para compensar uma parte do CO2 gerado pelo processo produtivo da empresa em sua fábrica de São Bernardo do Campo (SP).

Para realizar este projeto, a Fundação SOS Mata Atlântica conta com o apoio de diversas empresas que levam sua iniciativa de restauração florestal para a região. A empresa com maior investimento nesta iniciativa é a Scania, em conjunto com a Consórcio Scania e o Scania Banco, que realizaram o plantio das mais de 75 mil mudas. Além disso, ao entender seu papel no setor que atua, a empresa já incluiu novos parceiros de sua cadeia de valor, como a Associação Brasileira dos Concessionários Scania e a transportadora Transmaroni, empresa que conheceu a parceria, se encantou e passou a colaborar. Em 2019, eles plantaram 4,2 mil mudas para compensar o CO2 de parte de suas operações.

“O trabalho da SOS Mata Atlântica é fundamental para garantirmos o nosso futuro e o das próximas gerações. Estamos orgulhosos de compensar uma parte do CO2 gerado no processo produtivo. Nossa missão estabelecida em liderar a transição para um sistema de transporte mais sustentável vai ganhando cada vez mais força com a parceria”, afirma Roberto Barral, vice-presidente das Operações Comerciais da Scania no Brasil.

A forma de contabilizar a compensação foi definida em duas frentes: pela quantidade de caminhões, ônibus, motores industriais e marítimos e para grupos geradores de energia vendidos (na parte de produtos) e pelo número de financiamentos e cotas de consórcio (braços financeiros) vendidos num ano.

Para Olavo Garrido, diretor de Mobilização de Recursos da Fundação SOS Mata Atlântica, estes projetos em grande escala são possíveis graças à capacidade de articulação da Fundação. A partir do comprometimento de um grande parceiro, a Fundação, através de sua equipe de negócios, desenvolve estratégias de captação que visam o engajamento de outros apoiadores para um único projeto.

“Desta forma, o investimento na restauração de grandes áreas é diluído entre diversos patrocinadores. Com isso, todos ganham, o município, os proprietários de terra – que recebem o plantio das mudas gratuitamente –, os patrocinadores e, principalmente o meio ambiente, visto podermos incluir um maior número de componentes, como água, floresta, serviços ecossistêmicos e clima. Uma empresa sozinha talvez não conseguiria fazer diferença para o meio ambiente local, mas ao participar de um grande projeto sim“, afirma ele.

COMPARTILHE