ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Percepções do Cidadão Atuante

21 de junho de 2012

Durante a Rio+20, crianças e adultos visitam com entusiasmo os caminhões da Fundação SOS Mata Atlântica. Estacionados na Rua do Russel, 01, no Largo da Glória, até o dia 24 de junho, eles trazem o projeto “A Mata Atlântica é Aqui – Exposição Itinerante do Cidadão Atuante”.

Os motivos do interesse do público para a visita são muitos: aprender mais sobre os ecossistemas marinhos, os impactos que essas zonas sofrem e os aspectos da conservação e áreas protegidas de forma interativa e animada. Isso sem contar que quem aparece por lá conhece um pouco mais a atuação da SOS Mata Atlântica e participa de palestras, oficinas, debates, entre outras atividades.

“No domingo foram mais de mil pessoas que passaram por aqui. O que mais atrai a moçada é a maquete e as imagens que compõem a exposição”, contou Anderson Palmeira, biólogo e educador ambiental da Fundação. Ele disse também que “o fato de estarmos em uma área costeira estimula a vinda de muitas pessoas que, apesar de serem leigas, já se identificam com o tema.”

Para acompanhar esse ciclo na Rio+20, o projeto conta com a presença de três monitores, sendo dois biólogos marinhos e um oceanógrafo. De acordo com Nery Neto, oceanógrafo que pela primeira vez viaja com o caminhão, “o mais curioso é ver o intercâmbio e a troca de experiências e informações entre nós monitores e os visitantes”. “As pessoas contam histórias de impactos ou conflitos vividos na sua região e, muitas vezes, pedem nossa opinião ou ajuda para solucionar os problemas.”

Já Nadine Bitencourt, bióloga também monitora do projeto durante a Rio+20, diz que o processo de conscientização está funcionando. “Muita gente não assimila por que o verde depende do azul, mas após nossas explicações eu percebo nas suas expressões que elas saem sabendo que o ambiente terrestre e marinho estão conectados”, disse.

Para Adriano Gonçalves, agente de epidemia que trouxe seus dois filhos para visitar os caminhões, o maior legado para as crianças é que “elas saem daqui sabendo mais sobre o que é a Mata Atlântica e qual sua importância para o meio ambiente.”

Confira fotos:

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS