Notícias
Se mantenha informado sobre nossas ações
marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Vencedores do Prêmio de Reportagem 2011

18 de agosto de 2011

Conheça os vencedores da 11ª edição do Prêmio de Reportagem sobre a Mata Atlântica

Na noite do dia 10/08, a Aliança para a Conservação da Mata Atlântica, uma parceria entre as ONGs Conservação Internacional (CI) e Fundação SOS Mata Atlântica, realizou em São Paulo, a cerimônia de entrega do Prêmio de Reportagem sobre a Mata Atlântica 2011. Com o objetivo de promover o jornalismo ambiental no Brasil, fomentar a produção de reportagens sobre a Mata Atlântica e reconhecer a excelência profissional de jornalistas que cobrem temas ambientais, a iniciativa existe no Brasil desde o ano 2001 e conta com o patrocínio de Bradesco Capitalização, apoio do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ) e da Federação Internacional de Jornalistas Ambientais (IFEJ).

Além das tradicionais categorias Impresso e Televisão, em 2011 o prêmio ganhou uma nova categoria destinada a reportagens de Internet, cujo vencedor foi o jornalista Bernardo Vicente Tabak, do portal G1, com a matéria “Projeto de biólogo mostra degradação do meio ambiente no Rio”. “Sinto-me muito honrado em ter sido o primeiro jornalista a vencer nesta categoria do prêmio, o que também é muito importante para o reconhecimento do meu trabalho”, destacou.

Os segundo e terceiro lugares na categoria ficaram, respectivamente, com Thais Teisen Rodrigues, do portal Ciclo Vivo, com a matéria “Ambientalista trabalha para recompor a orla da represa de Guarapiranga” e com Daniel Carvalho de Mello, da Agência Brasil, com a matéria “Barragem do Valo Grande”.

Na categoria Impresso, a vencedora foi Giovana Girardi, da Revista Unesp Ciência, com a matéria “O Código Florestal ao arrepio da ciência. Este é um tema polêmico e muitos questionavam a falta de base científica do novo relatório do Código Florestal. Fomos atrás, pressionamos o deputado Aldo Rebelo e procuramos cientistas que nos mostraram pesquisas que indicavam que o novo Código não fazia sentido. Por essas características e pela importância do tema, o resultado do prêmio tem um grande valor para nós”, comentou a vencedora.

A jornalista Maria Guimarães, da revista Pesquisa Fapesp, ficou este ano com o segundo lugar, com a reportagem “Marionetes de oito patas”. O terceiro lugar ficou com Sérgio Adeodato, da revista Terra da Gente, com a matéria “O recobrimento do Brasil”.

A jornalista Claudia Tavares, da TV Cultura, foi a grande vencedora na categoria Televisão, com a reportagem “Litoral Norte – Encostas”, veiculada no Repórter Eco e no Jornal da Cultura. “Ficar entre os três primeiros, em uma categoria onde havia 46 inscritos, já estaria ótimo. O primeiro lugar então é uma alegria imensa”, observou a jornalista.

Em segundo lugar ficou a reportagem “Árvores da Mata Atlântica”, de Simone Pio Viana, da Rede Minas Televisão. Com a matéria “Carvão do Piauí”, o jornalista José Raimundo Carneiro de Oliveira, do Jornal da Globo, da Rede Globo, conquistou a terceira colocação.

Os vencedores das três categorias participarão de uma viagem a Washington, DC, focada em jornalismo e meio ambiente com visitas a ONGs internacionais e encontros com jornalistas de grandes meios de comunicação. A premiação inclui passagem aérea de ida e volta, em classe turística, da cidade de residência do ganhador até a cidade do evento, além de hospedagem e refeições. Os segundos e terceiros colocados em cada categoria receberão R$ 5.000 e R$ 2.500, respectivamente, além de troféu e certificado.

Para Marcele Bastos, coordenadora de comunicação da CI-Brasil, a diversidade das matérias vencedoras mostra que o tema meio ambiente é fundamental, pois permeia cada vez mais o cotidiano das pessoas e as reportagens permitem que a sociedade tome consciência e se mobilize acerca dos problemas do planeta. “Além disso, a cada ano percebemos que o esforço do nosso trabalho é retribuído pela satisfação dos contemplados na premiação”.

A diretora de comunicação da SOS Mata Atlântica, Ana Ligia Scachetti, comenta o sucesso da iniciativa. “Conseguimos reunir oito dos nove finalistas, jurados e vários outros jornalistas que participaram do Prêmio e compareceram para prestigiar os colegas. Esta é uma grande festa do jornalismo ambiental e é recompensador poder realizá-la anualmente”.

Sobre a Aliança para a Conservação da Mata Atlântica
Parceria entre a Conservação Internacional e a Fundação SOS Mata Atlântica, a Aliança para a Conservação da Mata Atlântica foi criada em 1999 para ampliar a escala de atuação das duas organizações, a partir de uma estratégia comum, em favor da conservação da Mata Atlântica. Com a proposta de diminuir o processo de destruição de um dos biomas mais ameaçados do planeta, a união entre as instituições está fundamentada em duas linhas estratégicas: Áreas Protegidas e Comunicação para conservação. Dentre os principais projetos conduzidos pela Aliança estão o Prêmio de Reportagem sobre a Mata Atlântica e o Programa de Incentivo às Unidades de Conservação Públicas e Privadas da Mata Atlântica. Para conhecer mais sobre a Aliança, visite www.aliancamataatlantica.org.br.

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS