Observando os Rios

Por que há conflitos pela água?

Por que há conflitos e disputa pela água?

No século XX, a população mundial cresceu três vezes e o consumo seis vezes.
Além disso, a distribuição de água no planeta não é equilibrada.

A água doce no mundo

A ONU – Organização das Nações Unidas – considera que o volume de água suficiente para a vida em comunidade e exercício das atividades humanas, sociais e econômicas, é de 2.500 metros cúbicos de água/habitante/ano. Em regiões onde a disponibilidade de água/habitante/ano está abaixo de 1.500 metros cúbicos, a situação é considerada crítica.
Nas áreas críticas, a disponibilidade de água por pessoa, por dia, é de 3 metros cúbicos. Em algumas regiões do Nordeste do Brasil a disponibilidade de água é de 3,8 metros cúbicos de água por dia. A medida de consumo de água/habitante/dia considerada ideal para regiões de clima tropical é de duzentos litros.

continente Área
(103 km2)
população
milhões
“runnof”
(km3/ano)
disponibilidade
(m3/dia/pessoa)
Europa 10,500 498 3,210 18
Ásia 43,475 3,108 14,410 13
África 30,120 648 4,570 19
América do Norte 24,200 426 8,200 53
América do Sul 17,800 297 11,760 108
Oceania 8,950 26 2,388 252
Total 135,045 5,003 44,540 24
Brasil 8,512 160 8,133 140

 

Na África – 44 milhões de pessoas que vivem em áreas urbanas não têm acesso à água. Das que vivem em zonas rurais, 53% (256 milhões) não contam com serviços de abastecimento de água. No total, 62% dos africanos não têm água. No que se refere a saneamento, 46 milhões não contam com este serviço nas zonas urbanas e 267 milhões na área rural. Ao todo, são 313 milhões sem infra-estrutura de saneamento.
Na Ásia – 98 milhões de pessoas estão sem acesso à água, nas zonas urbanas, e 595 milhões, ou cerca de 25% da população rural. Ao todo, são 693 milhões, ou 19% dos asiáticos sem serviço de abastecimento. Em saneamento, são mais de 1,9 bilhão de pessoas não antendidas (52%), sendo 1,6 bilhão na área rural e 297 milhões nas zonas urbanas.
Na América Latina – 78 milhões de pessoas não têm acesso à água, o que corresponde a 15% da população. Em saneamento, a carência de serviço atinge 22% da população e 51% dos moradores rurais. Ao todo 117 milhões de latino-americanos e caribenhos não têm acesso a serviços de saneamento
Na Oceania – A totalidade dos habitantes das zonas urbanas têm acesso à água e somente 3 milhões, que vivem em áreas rurais, não contam com abastecimento. No saneamento são 2 milhões sem acesso.
Na Europa – apenas 0,5% dos habitantes das zonas urbanas não têm acesso à água. Na zona rural, há 23 milhões sem abastecimento, o que corresponde a 13% da população que mora no campo. Na área do saneamento, 8% dos europeus (55 milhões) ainda não contam com esse serviço.
Fontes: Palestra de Gerson Kelman – presidente da ANA – Agência Nacional de Água – disponibilizada à Rede das Águas, revista Aguaonline, Manual do Rio Tietê, Instituto Vidagua.

Compartilhe