Artigos

Newsletter

Acompanhe as novidades e fique sempre informado sobre nossos eventos

Qual é a área de cobertura da Mata Atlântica?
27/03/2019


Mapeamento divulgado pela Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS) no periódico científico Perspectives in Ecology and Conservation indicou a existência de 32 milhões de hectares de vegetação nativa no domínio da Mata Atlântica no país, o que corresponde a 28% do bioma.

A repercussão do estudo motivou alguns questionamentos sobre a área de vegetação do bioma que vem sendo divulgada, há mais de 30 anos, pelo Atlas da Mata Atlântica, monitoramento realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Isso porque, segundo o Atlas da Mata Atlântica, restam 13,4 milhões de hectares das florestas nativas mais preservadas acima de 3 hectares, o equivalente a 12,4% da área de aplicação da Lei da Mata Atlântica (11.428/2006).

Para esclarecer a diferença nestes valores é necessário avaliar o material utilizado e a estratégia metodológica adotada por ambas as iniciativas de mapeamento.

O levantamento da FBDS examinou imagens do satélite RapidEye adquiridas com resolução espacial de 5 metros. Para a identificação e delimitação (mapeamento) da vegetação do bioma foi adotada uma combinação de procedimentos computacionais e manuais, com o objetivo de obter um mapeamento de alta qualidade. Trata-se de um estudo que produziu um retrato da cobertura florestal utilizando um conjunto de imagens disponíveis nos anos de 2011, 2012 e 2013.

No caso do mapeamento da SOS Mata Atlântica/INPE, as imagens são originadas pelos sensores dos satélites do programa Landsat, que geram imagens com 30 metros de resolução. Essas imagens são então submetidas à interpretação visual que permitem a delimitação de fragmentos florestais com área mínima de 3 hectares.

Diferentemente do estudo da FBDS, a metodologia empregada na elaboração do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica considera apenas áreas de florestas nativas em estágios médio e avançado de regeneração, ou seja, áreas mais preservadas e que são essenciais à conservação da biodiversidade no longo prazo. Sendo assim, áreas de menor dimensão, ou que possuam vegetação muito alterada, não são contabilizadas.

As principais diferenças entre os mapeamentos estão, portanto, nas metodologias de classificação adotadas, na resolução das imagens utilizadas, nas distintas abordagens sobre o estágio de sucessão das áreas de florestas analisadas e, por fim, nas áreas que foram mapeadas – área de aplicação da Lei da Mata Atlântica, no caso da SOS Mata Atlântica/INPE; e área do bioma, no caso da FBDS. Desta forma, é necessário muito cuidado na comparação destes mapeamentos.

Apesar das diferenças, é possível observar que os dados da SOS Mata Atlântica/INPE e da FBDS, quando analisados em conjunto com uma terceira iniciativa de mapeamento, o MapBiomas[1], do qual a SOS Mata Atlântica faz parte, resultam em valores mais consistentes entre si, indicando que a Mata Atlântica possui cerca de 12-17% de sua área coberta com matas em melhor estado de conservação, 24-26% de cobertura florestal, considerando qualquer tipo de floresta, e 27-29% de vegetação nativa, incluindo-se formações não-florestais, conforme tabela abaixo:

Descrição

Atlas da Mata Atlântica

FBDS

MapBiomas

Área

(ha)

%

Área

(ha)

%

Área

(ha)

%

Matas bem preservadas com mais de 100 ha

11.884.069

9,07%

Não mapeado

-

15.879.027

14.3%

Matas bem preservadas com mais de 3 ha

16.272.514

12,42%

Não mapeado

-

19.049.886

17,2%

Todo tipo de mata com mais de 3 ha (incluindo pequenos fragmentos isolados, áreas degradadas, matas ciliares e restingas)

Não mapeado

-

27.004.738

24,4%

29.714.531

26,8%

Todo tipo de vegetação nativa com mais de 3 ha

Não mapeado

-

28.876.403

27,9%

32.419.867

29,3%

Todo tipo de mata sem filtro por tamanho de fragmento

Não mapeado

-

28.876.557

26,1%

31.460.828

28,3%

Todo tipo de vegetação nativa sem filtro por tamanho de fragmento

Não mapeado

-

31,889,759

28,7%

33.550.891

30,2%

Ressaltamos, finalmente, que esses mapeamentos se complementam: a iniciativa da SOS Mata Atlântica/INPE dá maior ênfase às florestas mais desenvolvidas e preservadas; enquanto a FBDS e o MapBiomas destacam o total de vegetação nativa, independente do grau de conservação. Todos esses dados devem, portanto, ser valorizados, pois embasam diferentes ações de monitoramento, conservação e recuperação da Mata Atlântica.

 

 

Flavio Jorge Ponzoni, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE

Jean Paul Metzger, Universidade de São Paulo – USP

Marcia Hirota, Fundação SOS Mata Atlântica

Marcos Reis Rosa, Arcplan

Tasso Azevedo, Mapbiomas

 

 

Para conhecer mais sobre as metodologias do Atlas da Mata Atlântica e do MapBiomas, confira o documento “Metodologia adotada pelas iniciativas de monitoramento do Atlas da Mata Atlântica e MapBiomas” 

 


Compartilhe

Comentários

  • Eloy Fenker

    SOS tem Censura???