ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Os municípios que mais preservam a Mata Atlântica – e os que mais desmatam

19 de dezembro de 2014

Novo ranking mostra que as cidades do Piauí e de Minas Gerais foram as que mais derrubaram árvores no bioma.

Artigo de Marcia Hirota*, originalmente publicado no Blog do Planeta  De acordo com a última estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada em 2014, mais de 145 milhões de pessoas vivem nas 3.429 cidades abrangidas pela Lei da Mata Atlântica. Em outras palavras, isto significa que a qualidade de vida de 72% da população brasileira depende diretamente dos serviços prestados por esse bioma, como a regulação do clima e o abastecimento de água.

Para avaliar a situação da vegetação nativa desses municípios, a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apresentaram na última quarta-feira (17/12) os novos dados do Atlas dos Municípios da Mata Atlântica. A iniciativa, que monitora o bioma há 28 anos, tem o patrocínio de Bradesco Cartões e execução técnica da empresa de geotecnologia Arcplan.

Além da lista completa das cidades situadas na área abrangida pela Lei da Mata Atlântica, o levantamento indica o ranking dos munícipios brasileiros com a maior área de vegetação nativa, aqueles que mais desmataram no período 2012-2013 e no período acumulado 2000-2013. Os resultados estão agrupados num balanço nacional e rankings específicos para os 17 Estados abrangidos pelo bioma: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe. As listas completas podem ser conferidas aqui.

O levantamento indica que cinco dos 10 municípios que mais desmataram a Mata Atlântica no Brasil no período 2012-2013 ficam em Minas Gerais, Estado que lidera o ranking do desmatamento por 5 anos consecutivos. No entanto, estão no Piauí as cidades que mais desmataram o bioma neste período – Manoel Emídio (PI), com 3.134 hectares (ha), e Alvorada do Gurguéia, com 2.491 ha.

A surpresa é que o Piauí começou a ser monitorado apenas no ano passado pelo Atlas, estreando já na liderança dos maiores desmatadores. Outro detalhe é que esses dois municípios estão situados numa importante região de expansão agrícola, portanto fica o alerta ao Governo do Estado, às prefeituras e ao Ministério Público local para verificar e intensificar a fiscalização nessas cidades.

Piauí, porém, também possui os dois municípios mais conservados do Brasil – Tamboril do Piauí e Guaribas – ambos com 96% de vegetação natural. O motivo é simples: essas cidades abrigam parte do Parque Nacional da Serra das Confusões, uma importante Unidade de Conservação (UC) da região. Outro município do Estado, João Costa, 4º lugar no ranking dos municípios que mais possuem florestas naturais, abriga parte do vizinho Parque Nacional da Serra da Capivara. Não poderíamos ter exemplo mais claro da relevância das UCs para a conservação das nossas florestas.

A mesma lógica se repete com as outras cidades apontadas como as mais conservadas. Bom Jardim da Serra (SC), 3ª colocada, abriga parte do Parque Nacional de São Joaquim, que também se estende pelo município de São Joaquim, o 10º mais conservado. Outros exemplos são: Caracol (PI), onde fica a sede do Parque Nacional da Serra das Confusões; Santana do Pirapama (MG), na região da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço; Buenópolis (MG), com o Parque Estadual da Serra do Cabral; e Guaraqueçaba, Guaratuba e Antonina, no leste do Paraná, que abrigam um conjunto de áreas protegidas.

Ao garantir a preservação das nossas florestas e diversidade biológica, as UCs prestam serviços cruciais para toda a população brasileira, em especial aos moradores das cidades: 80% da energia hidrelétrica gerada no país vem de rios ligados a uma Unidade de Conservação e 9% da água para consumo humano é captada diretamente nessa áreas.

Há ainda o potencial dessas unidades como destino turístico, uma ótima oportunidade para impulsionar a economia nacional e fomentar o desenvolvimento regional criando opções de trabalho e renda para comunidades locais. Para se ter uma ideia, basta lembrar que o Parque Nacional da Tijuca (RJ) e o Parque Nacional do Iguaçu (PR) abrigam, respectivamente, o Cristo Redentor e as Cataratas do Iguaçu, dois símbolos do Brasil no exterior e que recebem, juntos, mais de 3 milhões de visitantes por ano.

Apesar desses benefícios, a bancada ruralista no Congresso Nacional tentou aprovar na última semana, no apagar das luzes da atual legislatura, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que transfere do governo federal para o Legislativo a responsabilidade pela oficialização de Unidades de Conservação, Terras Indígenas e territórios quilombolas, e prevê a possibilidade de rever limites e processos de criação desses territórios, entre outros retrocessos. Na prática, se aprovada, significaria a paralisação definitiva dos processos de formalização dessas áreas, que passariam a ser avaliadas meramente por critérios políticos.

Felizmente, e graças à pressão dos defensores do meio ambiente que estiveram de plantão no Congresso durante os últimos dias e da mobilização popular, a PEC não foi votada e deve ser arquivada. Portanto, é fundamental que a sociedade continue a acompanhar o tema, exercendo a cidadania em prol das nossas florestas.

*Marcia Hirota é diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica.

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS