Notícias
Se mantenha informado sobre nossas ações
marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Confira os resultados da Fundação em 2012

19 de dezembro de 2012

Em 2012, ano da Rio+20 (Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento), a SOS Mata Atlântica adquiriu novo fôlego para sua missão em defesa de do patrimônio natural e cultural da Mata Atlântica. Em 26 anos de atuação, a Fundação vem contando com o apoio de mais de 350 mil filiados, 600 voluntários, cerca de 300 parceiros e inúmeros apoiadores que contribuíram para a restauração florestal de cerca de 17 mil hectares da Mata Atlântica.

Entre as realizações e conquistas, destacam-se a criação de mais de 550 reservas particulares, o apoio a 1 milhão de hectares em áreas marinhas e costeiras, o monitoramento via satélite dos remanescentes florestais de 3 mil municípios, o plantio de mais de 28 milhões de mudas nativas em programas de restauração flores tal e cerca de 2 milhões de pessoas atingidas por eventos de mobilização e educação ambiental.

Confira aqui alguns dos destaques da atuação da Fundação neste ano. Aproveite para conhecer melhor nossos resultados.

A equipe SOS Mata Atlântica, que estará em período de férias coletivas entre 22 de dezembro de 2012 e 02 de janeiro de 2013, reforça seu compromisso de continuar trabalhando com paixão, solidariedade, respeito e sensibilidade em prol da proteção da Mata Atlântica e da sustentabilidade do planeta, para as gerações atuais e futuras. Boas Festas!

 

A Mata Atlântica em 2012: situação dos Remanescentes Florestais

Para marcar o Dia da Mata Atlântica (27 de maio), a Fundação e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgaram dados atualizados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica relativos ao período de 2010 e 2011. Da área total do bioma Mata Atlântica, 1.315.460 km2, foram avaliados no levantamento 1.224.751  km2, o que corresponde a cerca de 93%. Entre os Estados avaliados, Minas Gerais e Bahia continuam em situação mais crítica, sobretudo nas regiões com matas secas. “O alerta fica principalmente para Minas, o Estado que mais perdeu floresta nativa neste período”, observou Marc ia Hirota, diretora de Gestão do Conhecimento e coordenadora do Atlas pela SOS Mata Atlântica.

A floresta continua reduzida a apenas 7,9% de sua cobertura original, o que demonstra que para os próximos anos permanece crítica a necessidade de políticas, fiscalização do poder público e atitudes em defesa do bioma.  “A conservação e a proteção desse bioma tão ameaçado continuam sendo nossas grandes lutas. Os recursos naturais e os serviços ambientais da Mata Atlântica são essenciais para a sobrevivência de mais de 118 milhões de habitantes que vivem sob seus domínios”, enfatiza Marcia. Este monitoramento contou com o patrocínio do Bradesco Cartões e a execução técnica da Arcplan.

Veja mais detalhes aqui.

 

Código Florestal, Rio+20, Planos de Mata Atlântica, Eleições e Plataforma Ambiental


O trâmite do projeto de Lei que alterou o Código Florestal brasileiro (PLC 30/2011) passou por seus momentos decisivos em 2012. Apesar dos milhões de assinaturas recolhidas e de milhares de pessoas terem marchado pela Lei, a expectativa de um Código Florestal equilibrado acabou em outubro, quando foram pronunciados apenas nove vetos presidenciais à Medida Provisória 571/12, que enfraqueceu o Código. A Fundação divulgou nota sobre o assunto, lamentando os retrocessos, mas reafirmando seu compromisso de fiscalizar o cumprimento da lei e de manter sua atuação pelo desenvolvimento sustentável. E é preciso ressaltar que a mobilização da sociedade civil e de cientistas em torno desse tema foi uma das maiores vitórias do movimento ambientalista nos últimos anos.

Através das áreas de Políticas Públicas, de Mobilização e da Rede das Águas, a Fundação atuou fortemente nestas questões em 2012, com protestos, coletas de assinaturas, participação nas sessões no Congresso, em audiências públicas e eventos sobre o assunto. A Fundação também realizou uma grande manifestação no Viva a Mata, e manteve durante todo o ano o apoio ao movimento Floresta Faz a Diferença, que lançou novas campanhas como o Cartão Vermelho aos Parlamentares que Querem Piorar o Código Florestal e Não Vote em quem Votou Contra as Florestas. A população mostrou nas urnas seu “veto” ao Código Florestal: 75% dos candidatos “cartão vermelho” (que votaram pelo enfraquecimento do Código e disputavam o cargo de prefeito) não foram eleitos.

Em paralelo, a SOS Mata Atlântica participou com mobilizações e debates da Rio+20, lançou a Plataforma Ambiental aos Municípios 2012 e ajudou mais cidades a elaborarem seus Planos de Mata Atlântica. Previsto na Lei da Mata Atlântica, esse documento reúne e normatiza os elementos necessários à proteção, recuperação e uso sustentável da Mata Atlântica nas cidades abrangidas pelo bioma. Em 2012, Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, foi a terceira cidade brasileira a concluir seu plano, e com o apoio da Fundação, mais 15 municípios do Rio de Janeiro estão produzindo seu plano, entre outras cidades.

 

Veteranas de Guerra: uma homenagem às árvores veteranas do ambiente urbano

A Fundação lançou a campanha “Veteranas de Guerra” no Dia da Árvore (21/9). Criada pela agência F/Nazca Saatchi & Saatchi, a campanha selecionou, com a participação do botânico Ricardo Cardim, 20 das árvores mais antigas da capital paulista, espécies nativas da Mata Atlântica, para receberem medalhas de honra como forma de homenagem e agradecimento pelos serviços prestados à população. A campanha já arrebatou em novembro seu primeiro prêmio: foi laureada com um bronze na categoria Craft TV & Vídeo da premiação argentina El Diente, a mais importante do mercado publicitário argentino.

 

Comunicação digital, midiática e relacionamentos pela Sustentabilidade!

Em paralelo às suas campanhas, a comunicação da SOS Mata Atlântica fortaleceu a relação com seus diversos públicos e sua presença online. A ONG lançou um novo portal durante a Rio+20, que em menos de seis meses já alcançou mais de 340 mil visualizações.

A página no Facebook teve um crescimento vertiginoso no ano: já são mais de 28.000 fãs, o que corresponde a um aumento de mais de 1.300% em relação ao ano passado, resultante de ações desenvolvidas especialmente nesta rede social. No Twitter, mais de 29 mil seguidores acompanham e compartilham conteúdos da @sosma, e no canal do Youtube da Fundação os vídeos tiveram 26.095 visualizações.

Agora, no fim do ano, a Fundação inaugura sua atuação no Instagram, com uma #Instamission especial: fotografe árvores e concorra a uma viagem para conhecer o Parque Nacional do Iguaçu. Ainda dá tempo de participar!

Além disso, foram 47 edições do informativo digital Ecos da Mata.

Mas a interação não é só digital e eletrônica: cerca de 240 interessados puderam conhecer de perto o trabalho da Fundação, com expedições e programas de visitação como o “Porteira Aberta”, “Férias na Mata Atlântica” e o “Portas Abertas SOS Mata Atlântica”.

Os jornalistas são também grandes aliados na missão da Fundação. Em 2012, até novembro, foram mais de 180 pautas trabalhadas na imprensa, 497 solicitações de jornalistas atendidas e 459 entrevistas com fontes da Fundação, num trabalho proativo que gerou 528 inserções em impressos (entre jornais e revistas), 93 inserções em rádios, 141 matérias em canais de televisão e 3.146 na Internet (entre portais e blogs). Além disso, os 18 boletins de Rádio Ecos da Mata produzidos pela Fundação com a Radioweb foram veiculados mais de 4.850 vezes em rádios de todo o país!

 

Exposições e eventos mostram que Nosso Verde Também Depende do Azul

 

A Fundação também trabalhou em 2012 a interconectividade entre ecossistemas marinhos/costeiros e a Mata Atlântica, com o conceito “Nosso Verde Também Depende do Azul”, presente em iniciativas como o Viva a Mata e a exposição itinerante “A Mata Atlântica é Aqui”.

Com esse tema, e comemorando “25 anos de mobilização”, o Viva a Mata 2012 recebeu mais de 100 mil pessoas, sendo que cerca de 2 mil se reuniram na manifestação #VetaTudoDilma, que pedia o veto integral do novo Código Florestal. No evento, 80 expositores de todo o Brasil realizaram atividades e apresentaram seus projetos, que contou com patrocínio do Banco Bradesco e Natura e apoio da Rede Globo, Rádio Estadão ESPN, TAM e Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente de São Paulo. Somando todas as edições do Viva a Mata, mais de 480 mil pessoas já visitaram a exposição.

Também em maio, o caminhão do projeto “A Mata Atlântica é aqui – exposição itinerante do cidadão atuante” iniciou seu quarto ciclo de viagens pelo Brasil. O tamanho da exposição aumentou, passando de um para dois caminhões adaptados, que viajam juntos. Um deles é palco para a realização de atividades de educação ambiental, enquanto o outro, transformado numa sala de aula itinerante, concentra atividades como treinamentos e cinema. Entre os dois caminhões, o público teve acesso a uma exposição sobre os ambientes costeiros e marinhos. De maio a dezembro de 2012, com patrocínio do Bradesco Cartões, Natura e Volkswagen Caminhões & Ônibus, o projeto visitou 10 cidades, contabilizando mais de 100 dias de atividades de educação ambiental, mais de 15 corpos d’água monitorados, e mais de 100 ONGs, instituições e secretarias parceiras, atingindo um público direto de mais de 25 mil pessoas.

Outros eventos foram destaque durante o ano, como a distribuição de 120 mil mudas no Faça Parte da Paisagem, que marcou o Dia da Árvore em setembro, e pelo menos 50.000 pessoas interagiram diretamente com a Fundação em eventos como a Semana do Meio Ambiente, Adventure Sports Fair, Virada Sustentável, entre outros.

5 anos do Centro de Experimentos Florestais

Em 2012, o Centro de Experimentos Florestais SOS Mata Atlântica – Brasil Kirin completou 5 anos de existência e se consolidou como referência em Restauração Florestal com apoio do Bradesco Capitalização. Um dos destaques de 2012 foi a ampliação da sua capacidade de produção para 700 mil mudas por ano! Até hoje, o viveiro produziu mais de 1 milhão de mudas nativas de Mata Atlântica, custeadas por empresas patrocinadoras e pessoas, possibilitando a restauração de uma área equivalente a 741 campos de futebol.

Instalado em uma antiga fazenda do Grupo Schincariol e que agora é de propriedade da Brasil Kirin, localizada na cidade de Itu (SP), o Centro já fo i visitado por mais de 16 mil pessoas, sendo que só neste ano o Centro recebeu 1.065 visitantes, em cursos, atividades de educação ambiental e eventos.

No Centro também funciona a coordenação dos dois programas de Restauração Florestal da Fundação, Clickarvore e Florestas do Futuro, que juntos já somam mais de 30 milhões de mudas doadas ou patrocinadas para a restauração da Mata Atlântica!

 

Programa de Voluntariado da SOS Mata Atlântica completa 15 anos de atuação

No dia 12 de dezembro, a Fundação SOS Mata Atlântica celebrou 15 anos de seu Programa de Voluntariado. Neste tempo, foi possível realizar atividades de capacitação, educação ambiental em escolas, mobilizações, mutirões, participações em eventos e visitas às outras bases de atuação da organização. Atualmente, o programa conta com cerca de 100 voluntários ativos, e uma base de cerca de 600 voluntários que colaboram e participam de diversas ações com a Fundação. O programa Plantando Cidadania, iniciativa do Voluntariado da SOS Mata Atlântica, também comemorou um marco em dezembro: 10 anos d e atividades de educação ambiental e cidadania. Desde 2001, o programa atua no sentido de sensibilizar alunos e comunidades sobre as questões ambientais, valorizando as relações humanas através de diferentes ações. Mais de 20.000 alunos da rede pública de ensino, de 3 a 14 anos, já foram atendidos. Para celebrar o marco e compartilhar resultados positivos, lições aprendidas e reflexões, o Voluntariado realizou uma Jornada sobre o Plantando Cidadania e educação ambiental. Além disso, mais uma edição do “Seja Voluntário por um Dia” marcou a passagem do Dia Internacional do Voluntário, e outras ações voluntárias foram realizadas ao longo do ano, como o plantio de mudas na Área de Proteção Ambiental de Guapimirim no Rio de Janeiro.

 

RPPNs: Reservas Particulares como instrumento de proteção das florestas e das vidas

Em 2012, A Fundação SOS Mata Atlântica e a Conservação Internacional (CI-Brasil) lançaram o XI Edital do Programa de Incentivo às Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) da Mata Atlântica. O Edital, que contou com recursos do Bradesco Capitalização, do Bradesco Cartões e com a parceria da The Nature Conservancy (TNC), destinou R$ 400 mil a 34 propriedades contempladas em oito estados brasileiros: Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. Dos projetos selecionados, nove receberão recursos para a criação de 12 novas RPPNs, totalizando 1.080,13 hectares. Outras 20 RPPNs, que somam um total de 2.645,42 hectares, serão beneficiadas para a elaboração de planos de manejo. Além disso, duas RPPNs, que juntas chegam a 135 hectares, receberão recursos para projetos de georreferenciamento, que servem para a adequação do processo de reconhecimento da reserva à legislação atual. Ao todo, as reservas vão ajudar a proteger mais de 3.860 hectares do bioma! Até hoje, o programa já contabiliza 10 editais lançados e apoio a 303 projetos (sendo 225 de criação e 78 de gestão de reservas particulares), além de mais 9 projetos que englobam um conjunto de reservas em regiões específicas do bioma. Ao todo, o programa apoiou a criação de 467 RPPNs e a gestão de 84 RPPNs, em um total de 551 RPPNs e mais de 57 mil hectares apoiados, além da atuação em eventos do movimento RPPNist a e no fortalecimento institucional das associações de proprietários e ONGs que atuam no tema.

 

Mar e Costa Atlântica

O Programa Costa Atlântica teve participação decisiva na campanha #MangueFazADiferenca, que movimentou o verão brasileiro em defesa dos manguezais. Lançada em janeiro de 2012 no Fórum Social Temático, a campanha realizou 37 mobilizações em 13 Estados brasileiros mais o Distrito Federal, no período de um mês e meio.  Um total de 87 instituições aderiu à iniciativa e as manifestações da campanha alcançaram pelo menos 50 mil pessoas em todo o país. Coordenada nacionalmente pela SOS Mata Atlântica com o apoio de organizações de diversos Estados, a campanha realizou atividades de conscientização sobre a importância dos manguezais e alertou sobre os riscos das mudanças no Código Florestal para esses ecossistemas, essenciais para a vida marinha e para atividades econômicas como a pesca.

O Programa Costa Atlântica também lançou neste ano o seu V Edital, que destina até R$ 300 mil para projetos que visam a conservação da biodiversidade e a sustentabilidade das zonas costeira e marinha sob influência do bioma Mata Atlântica, com o patrocínio da Anglo American, do Bradesco Capitalização e da Repsol Sinopec. O programa completou 6 anos em 2012, acumulando resultados significativos: os projetos apoiados já beneficiam 16 Unidades de Conservação (UCs) em nove Estados brasileiros (RN, CE, PI, PE, BA, ES, RJ, SP, SC), em mais de 1 milhão de hectares de áreas marinhas protegidas beneficiadas.

Graças ao apoio de pessoas físicas, do Bradesco Cartões e da Fundação Toyota do Brasil, foi possível constituir fundos e apoiar a Reserva Biológica do Atol das Rocas, a Estação Ecológica da Guanabara, o Monumento Natural das Ilhas Cagarras e a Área de Proteção Ambiental (APA) da Costa dos Corais, por meio do Fundo Toyota APA Costa dos Corais, todas elas geridas pelo ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Além disso, o Costa Atlântica manteve apoio ao Conselho do Pólo Ecoturístico do Lagamar (Vale do Ribeira – SP), aos Monitores Ambientais da Prainha Branca (Guarujá – SP) e em parceria com a Associação Cairuçu, o apoio à Area de Proteção de Cairuçu (ICMBio) e Reserva da Juatinga (INEA – Instituto Ambiental do Rio de Janeiro), de forma a fortalecer essas unidades. O programa apoiou ainda o processo para criação de nove novas UCs: Refúgio de Vida Silvestre (REVIS) Peixe Boi (CE/PI); Área Marinha Litoral Leste (CE); REVIS Praia do Forte (BA); Ampliação do Parque Nacional Marinho de Abrolhos (BA); REVIS da Baleia Jubarte (BA); Área de Proteção Ambiental (APA) dos Abrolhos (BA); Reserva de Fauna Babitonga (SC); Reserva de Desenvolvimento Sustentável Foz do Rio Doce (ES) e Parque Nacional /APA Arquipélago Sul Capixaba (ES), e também se manteve sua atuação em campanhas e estudos sobre a biodiversidade marinha e costeira.

 

Agradecimento

A Fundação SOS Mata Atlântica agradece a todos pelo engajamento, colaboração e participação nestas iniciativas e reforça os laços e o compromisso de continuar atuando em prol da proteção da Mata Atlântica, da conservação marinha, dos nossos patrimônios e de um ambiente mais sadio e um futuro mais sustentável pra todos nós!

Continue acompanhando a Fundação: em 2013, tem muito mais!

COMPARTILHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS RELACIONADAS