ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

marco tanaka
  j \d\e F \d\e Y  

Medida Provisória (MP) 910/2019 pode representar amplificação de conflitos sociais e infrações ambientais

Iniciativa multissetorial elabora carta aberta contra votação de “MP da Grilagem"

4 de maio de 2020

Uma carta assinada por parlamentares, ex-ministros e organizações da sociedade civil foi entregue pela Frente Parlamentar Ambientalista ao Congresso Nacional, pedindo que a Medida Provisória (MP) 910/2019 não seja votada em meio a crise da pandemia da COVID-19. A MP é tratada em regime de urgência na pauta da Câmara dos Deputados e pode ser votada a qualquer momento. Idealizada pela Frente Parlamentar Ambientalista, a carta aberta conta com o apoio de 27 deputados, três senadores, dois vereadores e oito ex-ministros do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário. Mais de 137 organizações da sociedade civil também endossam a ação. Ao todo, são mais de 175 signatários. A MP regulariza a situação ilegal de quem invadiu terras públicas, que passará a ser proprietário legal da área, legalizando a grilagem e favorecendo favorece procedimentos declaratórios de posse.  

Segundo o documento “a MP 910/2019 sequer reúne o requisito constitucional de urgência na sua edição” e que “as regras sobre regularização fundiária em vigor foram modificadas em 2017. Para o grupo, há uma série de problemas de constitucionalidade na MP, inconsistências técnicas e jurídicas, bem como problemas sociais e ambientais que podem dela derivar. 

Clique aqui e veja o documento na íntegra 

“Sabemos que o principal problema ambiental do Brasil, na verdade é fundiário. A grilagem de terras é uma atividade antiga que, além de causar danos ao meio ambiente, mata populações locais e tradicionais. É um setor estruturado, que favorece grandes produtores rurais e agora encontra apoiadores dentro da política”, afirma Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica 

Segundo a carta da Frente Parlamentar Ambientalista, “sabe-se que a regularização fundiária é política pública de extrema importância no caso brasileiro, mas não será com propostas como essa que os problemas nessa área serão solucionados. Pelo contrário, os conflitos sociais e as infrações ambientais serão amplificados”.

Crédito: Fundação SOS Mata Atlântica

COMPARTILHE